• bootstrap carousel
1 2

                                                           

Página  4  de  22  

Cidade de Iperó - resgate e preservação da história do município

Nome:

Fábio Pegoretti

E-mail:

...

Mensagem:

Sou filho do Zezinho da Farmácia e meu sogro é o saudoso Juí (José Holtz Filho).
Moro há 20 anos em São Paulo, mas todo fim de semana estou em nossa cidade, visitando a família.
Parabéns pelo site e muito obrigado pela lembrança da foto do Juí na seção “Personagens”.

 

Nome:

Euzébio Cardozo Neto

E-mail:

...

Mensagem:

DISTINTO AMIGO HUGO,

NÃO FOI POR ACASO, MAS ESCARAFUNCHANDO A INTERNET DEPAREI-ME COM O SEU PORTAL CONTANDO RETALHOS DA CIDADE DE IPERÓ. OLHEI AS FOTOS BASTANTE ANIMADAS PRA ÉPOCA, ASSIM COMO A DIVERSIDADE DE CULTURA.
POIS BEM, SOLICITO-LHE A GENTILEZA DE QUE QUANDO PUBLICAR O LIVRO PROPRIAMENTE, POR GENTILEZA, MANDE-ME UMA CORTESIA.

ATT,

PROF. EUZÉBIO

 

Nome:

Nilson Antonio Nascimento de Lima

E-mail:

...

Mensagem:

Bela cidade.

 

Nome:

Augusto Daniel

E-mail:

...

Mensagem:

Cada um é cada um, né mesmo??? Eu diria que melhorou da Silvano pra cima. Agora... dessa rua pra baixo, incluindo a Vila do Depósito, parece que você está fazendo uma visita num local pós-bombardeio; você que viveu, fica abaixo de b....!!! E o pior não é isso; pior é a falta de perspectiva, é você não saber de quem é, ou com quem fica tudo aquilo. É federal, estadual, municipal? Quem mora tem a posse legal, paga impostos? Não creio que mudando o piso da Porfírio a solução esteja dada. O comércio, agências bancárias, escolas, postos de saúde, enfim, coisas que "agitem", que melhorem o visual, talvez, com o tempo devolvam a dignidade a esse histórico lugar. Conversando com comerciantes dessa triste região, eles a abandonam devido ao êxodo, devido à solidão (de gente), e procuram abrir na Silvano pra cima, onde temos a nova cidade. Sou um saudosista, mas tenho os pés no chão; ou toda essa região é revitalizada, ou teremos, num futuro não muito distante, o surgimento de uma das maiores favelas do estado. É de sentar e chorar, e chorar "pá c......"!!!

 

Nome:

Viviane Cristina Fracarolli

E-mail:

...

Mensagem:

Caros amigos, eu amo Iperó.
A cidade melhorou 100%.
Beijos,
Viviane

 

Nome:

Francisco Montoto

E-mail:

...

Mensagem:

Caros, gostaria de entrar em contato com Iraci, que assina suas mensagens com "UM ANO DOURADO 2012 !!!"
Grato pela atenção,
Francisco, o jornalista que escreveu no Mercado Livre.

 

Nome:

Simone Pereira de Lima

E-mail:

...

Mensagem:

Adoro Iperó. É uma cidade muito bonita e gostosa de se viver. Minha familia aos poucos está indo morar pra lá. Tenho meu pai, irmão e sobrinho que moram lá e, sempre que posso, vou pra lá também. Sou de São Paulo, cidade onde a agitação toma conta, correria, muito barulho, enfim, cidade grande. Mas sempre fico mais tranquila quando chego em Iperó.

 

Nome:

João Gretzitz

E-mail:

...

Mensagem:

Excelente o registro histórico e ilustrações que o acompanham, pelo qual parabenizo o(s) autor(es).

 

Nome:

Elisabeth Rodrigues

E-mail:

...

Mensagem:

Num domingo muito aguado, só chuva, o jeito é dar um tempo na televisão. De canal em canal, parece tudo meio sem graça. Epa... parece que tem algo mais interessante! É... parece que o rapaz era meio teimoso. E lá das Minas Gerais vem essa história. Povo simples, quem sabe degustando muito queijo e doçaiada saborosa e como sempre, como todo brasileiro, um povo muito religioso. Um povo com história. Capela simples, de pau-a-pique e com a chuvarada veio a desabar...
Entre os escombros, só quase o altar em pé, intacto e lá o santo padroeiro. Reunião daqui, conversa dali, foi tomada a decisão de retirar o santo e levá-lo para lugar mais seguro, longe dali, além da ponte. Nessa localidade, o santo possuia roupa de tecido, confeccionada pelos fieis, vestindo a imagem.
Decisão tomada, o santo foi transportado para outra localidade. No dia seguinte... surpresa... o santo foi encontrado no antigo altar com a vestimenta cheia de carrapichos e outras sementes de mato. Para encurtar a conversa, desabou a ponte.
O povo chegou a conclusão que o santo padroeiro queria permanecer no local de origem e voltara durante a noite. Na localidade hoje há uma igreja movimentadíssima que comporta mais de dois mil lugares. Para lá chegam romeiros de várias localidades do Brasil agradecendo graças alcançadas. Como em Aparecida do Norte, há a sala dos milagres, fotos em profusão e muitos levam hábitos marrons que lá ficam expostos, pois o padroeiro era um franciscano. Fernando de Bulhões, verdadeiro nome de Santo Antonio, nasceu em Lisboa em 15/08/1195, numa família de posses. Aos 15 anos entrou para um convento agostiniano, primeiro em Lisboa e depois em Coimbra, onde provavelmente se ordenou. Em 1220 trocou o nome para Antonio e ingressou na Ordem Franciscana, na esperança de, a exemplo dos mártires, pregar aos sarracenos no Marrocos. Um ano de catequese no Marrocos e segue para a Itália.
Indicado professor de Teologia pelo próprio São Francisco de Assis, lecionou nas universidades de Bolonha, Toulouse, Montpellier, Puy-en-Velay e Pádua, adquirindo grande renome como orador sacro no sul da França e Itália.
Santo Antonio morreu a caminho de Pádua em 13/06/1231 e foi canonizado 11meses depois de sua morte, pelo papa Gregório IX. Foi declarado pelo papa Pio XII, DOUTOR DA IGREJA, pela profundidade de seus textos. O franciscano, conhecido como Santo Antonio de Pádua ou Lisboa, tem sido ao longo dos séculos, objeto de grande devoção popular.
Seu dom era o dom da palavra, pois quando falava em DEUS, todos escutavam maravilhados. O seu santuário é o de “Santo Antonio de Roça Grande” em Minas Gerais. Esse santo é o nosso padroeiro também e pelas entrevistas dos romeiros é muito milagroso. Seu destaque foi também a oratória que cativava a todos. Fiquei muito curiosa com essa cidade. Um dia ainda vou visitá-la pela arte de Santo Antonio que não quis mudar de localidade. Para nossa Iperó aqui também ele está com o Menino Jesus nos braços a nos observar e proteger.

 

Nome:

Jair Góes Vieira

E-mail:

...

Mensagem:

Parabéns pelo belo trabalho. Iperó merece. Abraços!

 

Nome:

Augusto Daniel

E-mail:

...

Mensagem:

Dona Zaza, Olga, Inês, João, Rosa, Vicentina e Geninho… time bom, né não?
Parabéns pela sua família!

 

Nome:

Marco Aurélio Carvalho

E-mail:

...

Mensagem:

Sou filho de Olga Del Vigna Carvalho, médico em Piracicaba-SP, neto da dona Zaza (Filomena Del Vigna), primo da Márcia, Maria Inês, sobrinho da dona Inês, dona Vicentina, etc. Achei fantástico esse site. Estão de parabéns.

 

Nome:

Silvana Mello

E-mail:

...

Mensagem:

Quero desejar a todos os iperoenses um LINDO 2012 DO "INICIO AO FIM"!!! Aos meus primos e primas, amigos e amigas, minhas tias e tios, deixo minhas saudades e vontade de reencontrá-los! O ano passou muito rápido, ficou faltando um churrasco, um encontro, uma prosa, uma conversa… mas quero agradecer em especial ao Hugo, que realmente tornou isto possível, pois atraves do site consegui conversar com minha família, saber das minhas amigas, recordar da minha bisa, DA MINHA DOCE INFÂNCIA, das fotod de todos que amei e permanecem no meu coração.
Obrigada pelos fragmentos da história que vem sendo recuperados por todos! Sou grata e desejo a todos um abraço de coração, com muita paz, sucesso, felicidade, saúde e AMOR, para todas as famílias.
Gostaria de AGRADECER aqui no seu site, pois acredito nesta amplitude cultural.
Agradecer à Presidente DILMA ROUSSEFF, pelos projetos direcionados à saúde, pois achei muito importante os exames que foram liberados para a população. Realmente, a presidente veio acrescentar à populacao brasileira e quero agradecê-la e pedir respeitosamente que possa ver os novos projetos direcionados para as mulheres e estudá-los com a importância que sempre tem dado a tudo no seu governo.
Obrigada! Deixo aqui os meus votos à querida e estimada Presidente da República, Dilma Rousseff, um LINDO 2012!!!

 

Nome:

Hugo Augusto

E-mail:

...

Mensagem:

Meus amigos!!!
O ano passou tão rápido. Havia, ainda, muita coisa a ser feita. A gente faz projetos, o tempo passa e, quando percebemos, o ano chega ao fim e não foi possível realizar tudo.
Nós adultos somos complicados. Acabamos sendo "sugados" por tantas coisas secundárias e não nos damos conta de que, talvez, estejamos errando ao não valorizarmos, de fato, as coisas que são realmente importantes: os amigos, a família, nossa fé...
É sempre bom a gente refletir sobre as “pequenas coisas”. Elas são as mais importantes…
Obrigado por tudo!!! Obrigado pela nossa amizade e por todos os momentos em que vocês estiveram comigo!!! Pelas valiosas contribuições para o site durante este ano.
Feliz Natal e um grande 2012!!! Que Deus os abençoe e ilumine sempre!!!
Grande abraço,
Hugo.

 

Nome:

Augusto Daniel

E-mail:

...

Mensagem:

Penso que nós nunca fomos menos consumistas. O ser humano, como espírito, sempre foi e será o mesmo. Os "sete pecados capitais" não mudam. Tanto isso é real, que a Bíblia sempre será atual, pois ela nos conta a história de gente e as orientações que de Deus recebemos, e que são muito válidas até hoje. O ser humano é o mesmo. Nos tempos da brilhantina, do Zé Augusto, do Roque, do Tiguera, do Tanaka, do Cica, etc... a vida era mais simples, mas não significava que não éramos consumistas. Queríamos roupas, sapatos, bolas, chuteiras, bicicletas, coisas que víamos e que eram da época. Não haviam muito mais que isso. Não eram mostradas em comerciais, aliás nem estes eram tão chamativos, exuberantes como o são hoje. Poucas eram as ofertas e nós vivíamos bem com o que tínhamos. Hoje se oferece muito, em condições que o que só era permitido à classe média alta, tornou-se possível à classe média baixa. Mais é oferecido, porque mais existe. Avião e navio são consumos de todos. Consumir não é ruim e não nos afasta de Deus. De Deus quem nós afasta são os sete pecados capitais que existiam no povo escolhido de Deus e que estão entre nós. Nós não mudamos como espírito: mata-se, rouba-se, mente-se hoje, como nos tempos de Cristo. A diferença é que tem mais gente fazendo. Cristo renovou e simplificou uma mensagem que vem desde o início do mundo: temos que melhorar. Isso é atemporal. Pra Deus não dividimos nossas existência em anos. Somos espíritos em renovação. Consumindo ou não, na prática, pois Jesus não era um teórico, temos que melhorar. Com igreja ou sem. Com religião ou não, temos que crescer. Amar ao próximo como a si mesmo; esse é o caminho do céu. É o único mandamento, pois se conseguirmos isso, estaremos amando a Deus acima de todas as coisas. Não podemos amar a Deus acima de todas as coisas se não amarmos os nossos irmãos. Agora, amarmos os nossos irmãos como a nós mesmos... aí "o bicho pega". Ô coisinha difícil, né não? Nada a ver com o consumismo. Tudo a ver ‘cunóis’ mesmos! Natal é festa pelo nascimento de Jesus e festa de verdade, pois nos aproximamos, trocamos presentes, consumimos, nos abraçamos, tomamos uns "més", sorrimos, brigamos e tudo mais.
Agora, Jesus vai além... amar o nosso próximo como a nós mesmos. Aí o bicho pega! Feliz Natal!!!

 

Nome:

Tanaka

E-mail:

...

Mensagem:

A todos os frequentadores do site, àqueles que escrevem, àqueles que o desfrutam com a sua leitura, enfim, que o prestigiam, que o curtem, a todos os iperoenses que estão fora ou aí, ou de coração, um Feliz Natal e também um Ano Novo maravilhoso.

 

Nome:

JR. Moraga

E-mail:

...

Mensagem:

Boa noite a todos. Tive a oportunidade de cumprimentar alguns amigos, porém, a maioria será através deste site...
Através deste, aconteceram reencontros marcantes, com pessoas que há muito não tinha notícias. Amigos queridos que apesar de tanto tempo, são inesquecíveis. Continuamos por aqui registrando fotograficamente as mudanças que Iperó sofre. Continuamos de olho na Porfirio de Almeida, aguardando para o próximo ano as mudanças que se fazem necessárias e que estão sendo prometidas. Caso as mudanças não aconteçam, vamos fazer uma "occupy Porfirio street"... rs…
É isso! Um Feliz e Santo Natal pra todos!
Meu presente deste ano será uma bola de capotão "oficial" número 5. Amanhã faremos a estreia dela no campinho atrás do cinema. Quem quiser jogar, é só aparecer.

 

Nome:

Iraci

E-mail:

...

Mensagem:

Gilo,
Muito legal tudo isto que você escreveu sobre o Natal daqueles tempos!
Concordo plenamente com tudo e digo mais: o verdadeiro significado do Natal foi se perdendo com o tempo e agora vemos apenas a verdadeira face da sociedade consumista em que nos transformamos. A nossa geração teve o privilégio de conhecer toda aquela magia, que fazia com que ficássemos contando os dias para a chegada do Natal e como demorava pra chegar!
Assim como você, eu morava em uma casa em George Oétterer, que ficava no meio de muitas e muitas árvores frutíferas, que nesta época do ano tinham os frutos maduros numa quantidade espantosa.
Voltando ao Natal, tudo o que eu mais desejo é que na noite do dia 24 de dezembro todos nós tenhamos um momento de reflexão sobre o verdadeiro significado desta data, que é o aniversário do Nosso Querido Mestre Jesus que, por amar tão profunda e incondicionalmente a humanidade, se predispôs a vir à terra e viver, no final, aquele tremendo sacrifício para nos deixar sua maior mensagem: "Amar a Deus sobre todas as coisas e a teu próximo como a ti mesmo".
Desejo um "Feliz Natal" a todos os iperorenses, em especial ao Padre Calixto que ia, um domingo de cada mês, celebrar a missa em George Oétterer, percorrendo a pé uma longa distancia entre a estação de trem e a igreja.
MUITA PAZ!!! UM ANO DOURADO 2012!!!

 

Nome:

Ângelo Lourenço Filho

E-mail:

...

Mensagem:

Amigos,
Estamos à véspera de mais um Natal em nossas vidas. O Natal para a humanidade de cultura católica, é um dos dois eventos mais importantes. Como nossas vidas (por aqui) se iniciam no nascimento e acabam na morte física, o nascimento de Jesus é o marco que leva na sua ressurreição, o nascimento da fé católica. Desde muito cedo eu descobri que algumas fantasias criadas pela sociedade mercantilista, eram tão e somente fantasias. Mas eu, garoto, sempre adorei, amei a época do Natal. Nunca sonhei com papai noel. Mas adorava ir à Missa do Galo, do Padre Calixto. A missa era interminável!!! O Padre Calixto parece que fazia questão de realmente esperar o galo da madrugada cantar. Era velho dormindo, criança choromingando e limpando com a roupa novinha, presente de Natal, o nariz escorrendo, o coro da igreja tentando manter o pessoal ligado, e o Padre Calixto dando sermão... mas eu adorava.
Quando acabava um Natal eu já estava sonhando com o próximo.
E eu tinha um motivo muito especial pela época de Natal. Era porque nesta época que a abundância e a diversidade da terra mãe de nossa Iperó, desabrochava. Era fartura que só acabava nas águas de março, que prenunciavam tempos difíceis do rigoroso inverno.
Em dezembro só no quintal da casinha que eu morava na Vila do Depósito, nós tínhamos uma parreira de uva em frente à porta de entrada da casa. Era uma beleza ver os cachinhos de uva pendurados no varal da parreira. Dava dó de cortar os cachos. No quintal da casa uma mangueira carregada de manga rosa, começava a se colorir de amarelo. Ao lado dela uma ameixeira, também já com frutos amarelos. Bem no final do quintal, altivo e prepotente o pé de abacate manteiga tentava manter agregado sobre seu tronco os galhos pesados pelos pesados abacates, que despencavam com os temporais da época. Para colorir meus apaixonados e românticos olhos o pé de caqui já avermelhados, que faziam a festa dos sabiás e sanhaços azuis. Uma goiabeira com suas goiabas vermelhas bichadas ajudavam a compor o quadro. Ah, e eu comia as goiabas com bichinho sem nenhum problema. Em frente à parreira de uvas, tínhamos dois pés de romã, que também em dezembro pipocavam devido ao forte sol, deixando bem à mostra no seu seio as frutinhas avermelhadas. No meu vizinho, bem na porta da cozinha de sua casa, um lindo pé de jabuticaba. A gente colhia em dezembro as danadinhas, e ali mesmo degustava aquelas frutinhas negras como os olhos das meninas pelas quais eu estava sempre "gamado".
Quem se aventurasse andar lá pelos lado do cerrado dos Paulas, iria se deparar na época do Natal com as deliciosas gabirobas, os araçás, os indaiás, os marmelinhos...
Por Jesus, pela Terra Santa de Iperó, eu sempre e para sempre irei amar o Natal.
Que a todos que comigo compartilharam deste site neste ano que se finda: FELIZ NATAL e que o MENINO JESUS VOS ABENCOE!!!

 

Nome:

Augusto Daniel

E-mail:

...

Mensagem:

Isso é muito bom de ser lido. Iperó não foi boa só pra "veiarada" (Cica, Fio curadô, Tanaka, etc...); continua sendo boa pra gente "nova" também!

 

Nome:

Vera Maria Barbosa Cassu

E-mail:

...

Mensagem:

Moro em Iperó há 23 anos e confesso que, logo que aqui cheguei, achei uma cidade pacata, mas com gente de boa índole e logo fui me relacionando com as pessoas, que por sinal nos tratavam muito bem. A família Mioni foi a primeira que nos acolheu com muito carinho. Devo muito à dona Carmosina e seu finado marido por serem tão hospitaleiros conosco. Minhas filhas foram praticamente criadas aqui, pois a maior parte de suas vidas está sendo vivida nesta cidade. Sou feliz nesta cidade, pois encontrei abrigo nos corações dos IPEROENSES. Muito obrigada pela oportunidade de poder contar um pouco da minha vida. Aqui é a minha casa. "Deus esteja sobre este lugar" e que aqui possamos em paz criar nossos netos que estão crescendo por aqui...

 

Nome:

Paulo Sérgio Stefanelli Silva

E-mail:

...

Mensagem:

Fantástico o acervo fotográfico! Muito completo e digno de ser parte do arquivo histórico de São Paulo!
Surpreendente abordagem, tanto textual, como fotográfica! Parabéns!
Vi durante longo tempo as diversas páginas desta maravilhosa história da cidade e de seu povo!
Vi uma cidade progressista fortemente ligada à riqueza dos tempos das ferrovias!
Muita saudade ficou na memória.
Gostei do poema "Detesto" no "O Jornal de Iperó", onde fala da janela do trem aberta na hora da curva...

 

Nome:

Arnaldo Cerioni Filho

E-mail:

...

Mensagem:

Tenho ótimas recordações de Iperó da década de 60, quando disputamos várias partidas de futebol defendendo o Clube Atlético Ferroviário de Presidente Altino. Lembro-me que o campo do Iperó era rodeado de eucaliptos e o gramado verde muito bem cuidado. Comentando um dia desses com meu amigo Roque Eid, que vive em Osasco, sobre uma dessas partidas, em que estávamos vencendo o ferroviário de Iperó em sua casa por dois a zero no primeiro tempo, disse-lhe que o juiz que apitara o jogo entrara em campo seguido por um cão de estimação que o acompanhou durante quase toda a partida. Era um juiz de pouca conversa com os jogadores e que apitava muito bem. O time de Iperó conseguiu marcar um gol no início do segundo tempo e continuou atacando com muita disposição para empatar o jogo.
Nosso goleiro chamava-se Joaquim de Moraes, o qual fez várias defesas mirabolantes, irritando os atacantes do Iperó, quando em um contra-ataque nosso time quase marcou o terceiro gol, não fosse o bom posicionamento do zagueiro Jairo, que morava em Osasco e jogava em nossa equipe, mas nesse dia resolveu jogar pelo Iperó, pois estava passando as férias na cidade. Finalmente, após começar a escurecer e decorridos cinquenta minutos de jogo no segundo tempo, o Iperó conseguiu seu gol de empate.
Era dia de Santo Antonio e à noite fomos passear na praça para ver a procissão passar, quando descobri que o ponta esquerda do Iperó era o tocador de pratos na banda da cidade. Nosso goleiro, após alguns anos, foi transferido para Iperó e passou a jogar no ferroviário e foi apelidado de Sabiá, pois conseguia voar de um canto ao outro com bastante elasticidade.
Qual não foi minha surpresa ao comentar o jogo com meu amigo Roque, quando ele afirmou que o juiz que eu acabara de descrever era seu falecido pai, o qual era dono de uma venda de secos e molhados na cidade. Vez ou outra, eu, meu irmão Adilson e nosso pai Arnaldo Cerioni costumamos visitar a chácara do Joaquim de Moraes (o “Sabiá”) em Iperó para recordar os tempos em que ambos trabalharam juntos como cabineiros na estação de Presidente Altino.

 

Nome:

ROQUE EID

E-mail:

...

Mensagem:

Tanaka, meu primo do coração, um abraço!
Acabei de conversar com o nosso querido Dr. Augusto Daniel e ele perguntou de você!
Acabei de ver no livro de visitas algo novo de Iperó! Saudades daquele nosso tempo de Iperó!
Um abração. Roque Eid.
Deus te abençoe!

 

Nome:

ALICE FARIAS RODRIGUES

E-mail:

...

Mensagem:

Sou estudante de arquitetura e gostei muito da matéria sobre a Flona.

 

Nome:

Miguel Saad

E-mail:

...

Mensagem:

Prezado Hugo, após algum tempo, a saudade retorna!
Pudera, a amizade não morre!
Abraços,
Miguel Saad

 

Nome:

Márcia da Silva

E-mail:

...

Mensagem:

Gostaria de saber sobre George Oétterer. Sou de Sorocaba e tenho um carinho especial por esse bairro de Iperó.
Fiz muitos trabalhos com as pessoas menos favorecidas, quando eu trabalhava em entidade de Sorocaba, Proaprom. Como eu fazia visitas, em especial aí, nasceu esse amor pelas pessoas.
Hoje trabalho na “Cabana de luz” como uma das voluntárias.

 

Nome:

RENATA CAROLINA GONÇALVES JUSTINO

E-mail:

...

Mensagem:

OLÁ, SOU ESTUDANTE DE GEOGRAFIA NA UFSCAR (SOROCABA) E EM TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO, ESTOU COMO TEMA O BAIRRO GEORGE OÉTTERER. GOSTARIA DE SABER SE PODE ME ORIENTAR COMO CONSIGO ALGUNS MATERIAIS SOBRE O MESMO. OBRIGADA. AGUARDO RESPOSTA!

 

Nome:

Marta Fátima Pereira

E-mail:

...

Mensagem:

AMO IPERÓ!!!

 

Nome:

Tanaka

E-mail:

...

Mensagem:

Meus mui queridos e amados amigos, muito obrigado. Essa demonstração de carinho e afeto me faz imensamente feliz! O Augusto acertou em cheio sobre o meu paladar. Esta semana, por duas vezes, comi charuto de folha de uva. Uma foi na casa da minha tia e a outra foi justamente num restaurante chamado "Folha de Uva".
Obrigado, amigo Ângelo. Nem tantos anos assim, mas eu chego lá. Há, há, há!
Um beijo no coração de todos.

 

Páginas do Livro
 1  2  3  4  5  6  7  8  9  10  11  12  13  14  15  16  17  18  19  20  21  22